"Não matarás!"

Matar, que verbo maldito! Há várias formas de matar. Quando se pronuncia esse verbo pensa-se que ele é o ato de tirar a vida de um ser vivente. Matar não é simplesmente interromper o curso da vida; é pôr termo a um ciclo iniciado pela força da natureza, essa natureza portadora das normas da sua existência, é quem estabelece o seu final. É um verbo que não pode sair da simples expressão. Pô-la em ação é praticar o mais vil crime, não apenas por ser a vida o nosso bem maior, mas porque é por ela e para ela que todo bem, toda riqueza tem a sua razão de ser. Deus assim determinou!

Quando Deus criou o homem, depois de ter criado todas as coisas, e de o ser humano ter-se corrompido, Ele ditou normas para o regular relacionamento inter-humano e de convivência com todos os seres viventes, sejam do reino animal, do vegetal ou do mineral. Nós somos do Reino Animal, somos os racionais desse Reino, por isso dominamos sobre os demais. Mas esse domínio tem normas para ser obedecidas, se não... bem, vejam o que está acontecendo no mundo!

Não matarás! “Bem, eu nunca matei alguém”! Será que não? Onde estão as florestas, o manancial provedor do alimento que combate a fome, que sacia a sede, e o “berço” natural que embala o repouso de todo ser vivente, depois do labor diário com o desgaste das suas energias, que precisam ser repostas com horas do necessário sono? A loucura do desmatamento praticada no passado por falta da consciência ambiental que, apesar das leis que regulamentam o setor persiste ainda hoje aliada à loucura da poluição desenfreada, tem sido a causa da perda de muitas vidas.

O Reino Vegetal está perdendo as suas matas que são sacrificadas, com prejuízo ao Reino Mineral cujos rios perdem as suas forças, pois nos seus nascedouros já não existem árvores, as suas aliadas. Elas deram lugar ao “pasto” para o gado e outros animais de “corte”, que têm a sua vida associada ao lucro. Eles são logo sacrificados; e ao homem sobra tão somente o vil metal e a posição social pelos quais o homem usa a sua força de domínio sobre todos os reinos, incluindo o seu próprio, o Animal e, a custa do dinheiro que dolorosamente angariou, muitas vezes mata, não interrompendo propriamente as vidas, mas sacrificando-as, matando sonhos, frustrando pretensões de uma vida melhor!

Não matarás é um mandamento de Deus que tem como base a sua determinação de que a prática do verbo matar deve ser substituída pelo uso da inteligência. Pelo raciocínio e pela perspicácia o homem preserva a Vida. O respeito ao Reino Vegetal produz abundância no Reino Mineral e, como consequência, vida mais saudável no Reino Animal, principalmente ao Ser Humano!

 

Com Estimas

Ridaut Dias Silva

Membro da IM em Tucuruvi
Dezembro/2013